Os moradores de Codajás e Anori se encontraram no km 34 da estrada para a manifestação (Foto Leitor do Fato Amazônico)
Compartilhe
  • 183
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    183
    Shares

A estrada Codajás/Anori, que deveria ser asfaltada em 2013, pela empresa Império Construções e Serviços LTDA., não passa de um grande atoleiro.

Sábado, dia 1º, dezenas de moradores das duas cidades se mobilizaram para um grande movimento de protesto, mas devido às péssimas condições da estrada de um percurso de 68 km, correspondente à extensão quase foram obrigadas a desistir. Imensas valas e crateras, atoleiros de todos os tamanhos fizeram muitos não prosseguir no movimento que se encontrou na extrema das duas cidades no interior do estado.

Para ultrapassar os primeiros obstáculos enfrentados e seguir adiante foi preciso, além da utilização de pás, a força do braço de dezenas de motociclistas para empurrar os carros atolados.

Para não fazer nada em 2013, a Império Construções e Serviços LTDA., de propriedade de Júlia Bandeira de Melo Lins de Albuquerque, mulher do empresário George Lins, irmão dos deputados Átila Lins e Belarmino Lins, recebeu do governo do estado R$ 63.151.954,77, bem acima do valor contratado que, antes do aditamento, era de R$ 55.515.898,24.

Moradora mostra a placa de mais obras dadas pelo governo do estado a Império (Foto Leitor do Fato Amazônico)

E como nada fez, a mesma empresa dos Lins foi premiada pelo governo Amazonino Mendes com o aditamento para conclusão da estrada e mais três contratos que, juntos, ultrapassam a R$ 100 mil.

Em 2013, antes mesmo de terminar o ano, os serviços de asfaltamento da estrada foram literalmente abandonados pela empresa. Algumas máquinas, assim como uma fábrica de asfalto, ainda podem ser encontradas tomados pelo mato na estrada.

Confira o Vídeo

Empresa da família Lins ganha contratos de mais de R$ 100 milhões do governo, um para concluir estrada de Codajás/Anori inacabada


Compartilhe
  • 183
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    183
    Shares