O prefeito de Humaitá, Herivâneo Seixas, não deu a mínima à decisão da Justiça Federal que o condenou a R$ 13.051.689,41 ao Fundo dos Direitos Difusos por despejar abusivamente lixo na BR-319 e Transamazônica.

De acordo com a juíza Federal da 7ª Vara Especializada em matéria Ambiental e Agrária, Mara Elisa Andrade, na hipótese de descumprimento injustificado da sentença, o prefeito poderá ser de responsabilizado por crime de desobediência.

De nada valeu. O prefeito torceu o nariz e lá para cá (novembro do ano passado) não parou mais de agredir o meio ambiente.

Hoje, além de entupir sem freio as rodovias Transamazônica e 319  com incalculável quantidade de lixo doméstico, industrial, hospitalar – de todos os tipos -, Herivâneo Seixas tenta disfarçá-los irresponsavelmente com fogo.

O resultado – é claro – não poderia ser mais desastroso. A destruição da vegetação o maior impacto ambiental é incalculável, como reflexo irreversíveis ao ecossistema – a flora, a fauna, os fungos e outros grupos de organismos.

A reportagem do Fato Amazônico tentou falar com o prefeito Herivâneo Seixas a respeito das denúncias do descumprimento da decisão da Justiça Federal pelo celular 69 – 9811x-729x, mas o telefone estava fora da área de serviço.

Veja o vídeo

Prefeito de Humaitá não cumpre TAC e é condenado a pagar R$ 13 milhões por despejar lixo na BR-319 e Transamazônica