Pelos números dos institutos de pesquisas, o sonho do quinta mandato de Amazonino Mendes chega ao fim no próximo dia 28

Os números das primeiras pesquisas e intenção de votos divulgadas nesta semana por dois institutos de pesquisa de Manaus são desalentadoras para o candidato Amazonino Mendes (PDT) que, ao ser eleito para um mandato de um pouco mais de um ano, em 2017, com a cassação do amigo e conterrâneo José Melo, sonhava com o quinto mandato de governador.

À exceção da pesquisa #365, de responsabilidade do publicitário Durango Duarte, a diferença dos números totalizados tanto pela empresa Pontual quanto pela DMP, ainda não divulgados, ultrapassa o triplo do percentual de intenção de votos alcançada por Wilson Lima que pontuou 71,92% contra 21,31% do “velho comunista” Amazonino Mendes.

Mesmo com a diferença 26% pro Wilson Lima, segundo dados da #365, a candidatura de Amazonino Mendes terminou no primeiro turno, ou seja, com a eleição de Wilson Lima.

Assim, à julgar pelos números percentuais dos diferentes órgãos de pesquisa, o sonho do 5º mandato de governador de Amazonino é uma história que não se completou. Possivelmente será interrompida por um jovem paraense que, com um microfone de apresentador de televisão na mão, deverá vencer o manda chuva da política local.

Nesta reta final, não só os números das pesquisas conspiram contra o velho comunista. O apoio dos prefeitos do interior do estado que antes era quase unânime perde força no virar de cada dia.

Em Humaitá, onde Wilson Lima estará na sexta-feira (19), ele já conta com o apoio do vice-prefeito Rademark chaves (PSD) e do ex-prefeito do município da calha do Madeira, Dedei Lobo (Avante), que sozinho teve mais de 6 mil votos somente município.

Wilson Lima e o vereadores John Auler (PMN), de Humaitá

Os vereadores John Auler (PMN), Alexandre Perote (PMN), Russel Lelo (PSB), Ivo dias (PTB), João Aragão (MDB), Totinha (PODEMOS), Valdeir (PSD), todos declararam apoio a Wilson Lima.

De acordo com os órgãos de pesquisa, se as eleições fossem hoje a débâcle política de Amazonino Mendes estaria melancolicamente decretada.