Magistradas do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) participaram como palestrantes, na terça-feira (16), do Curso de Atualização de Policiais do Ronda Maria da Penha, da Polícia Militar do Amazonas. A capacitação foi ministrada no auditório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), localizado na Avenida Efigênio Sales, no Aleixo, Zona Centro- Sul de Manaus.

Participaram do curso a juíza Luciana Nasser e Ana Lorena Gazzineo, que são titulares, respectivamente, do 2º e 1º Juizado Especializado no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, também conhecidos como Juizados Maria da Penha.

“É muito importante fortalecer a rede de proteção à mulher e esse treinamento vem intensificar o trabalho. É mais uma ação afirmativa do efetivo cumprimento das medidas protetivas de urgência porque, com o treinamento dos policiais, asseguraremos que a vítima, naquele momento de maior fragilidade, seja atendida da forma correta”, destacou a juíza Luciana Nasser.

Para a juíza Ana Lorena Gazzineo a iniciativa vem fortalecer o trabalho de enfrentamento à violência contra mulher. “Nós só temos a agradecer a ampliação desse serviço e da área de cobertura porque esse era um anseio antigo de toda a rede de proteção. Existem mulheres que necessitam desse acompanhamento, que sofrem algum tipo de perseguição e esses policiais dando atendimento e chegando nos lares dessas vítimas trazem de volta a tranquilidade e podem, inclusive, evitar um possível feminicídio”, acrescentou a magistrada.

De acordo com o comandante geral da Polícia Militar do Amazonas, Claudio Silva, o trabalho será intensificado por meio de cursos teóricos e práticos a fim de capacitar da melhor forma possível os policiais militares que darão o suporte no enfrentamento à violência contra a mulher. “O mais importante é difundirmos a doutrina do Ronda Maria da Penha em conjunto com as ações das delegacias especializadas em crimes contra a mulher. O efetivo da PM precisa entender como fazer o primeiro atendimento para essas mulheres que são reprimidas e moram em áreas de difícil acesso e, com esse objetivo, vamos sempre estar atualizando nossos policiais”, explicou o comandante.

No ano passado, O TJAM ficou em primeiro lugar do País no cumprimento da Meta 8, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que trata do fortalecimento do combate à violência doméstica e familiar contra a mulher no âmbito do Judiciário, registrando 142,86% de cumprimento da meta, superando a média nacional, que ficou em 97% no ano passado.