A política no interior do estado é bem diferente da capital e de tudo acontece e as represálias aos moradores são grandes. A comprovação disso vem de Silves, município localizado no Baixo Amazonas, onde de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem uma população de 8.946 habitantes e é administrado pelo prefeito Franrossi de Oliveira Lira, mais conhecido como “Bojó”, do partido do ex-governador Omar Aziz. E foi ele quem agiu como um “coronel de barranco” ao mandar tomar a cadeira de rodas do deficiente físico, o pequeno Giovanilson da Silva Freitas, de apenas 13 anos.

O menino perdeu a cadeira de rodas depois que a mãe dele, a doméstica Tânia Freitas, resolveu ir a visita do senador Eduardo Braga (PMDB), pré-candidato ao governo do estado contra o candidato do ex-governador Omar Aziz (PSD), o hoje governador José Melo (PROS) que tenta a reeleição.

Eduardo Braga, foi a Silves, no mês passado onde caminhou com o povo que aguardava sua chegada para falar dos problemas como iluminação pública, asfaltamento de ruas em bairros como Curuçá e Plínio Coelho, autoescola e subvenção para a renovação de frota para mototaxistas, foram algumas das reivindicações dos comunitários.

Lá Braga, disse ter ficado triste em ver uma escola que construiu praticamente abandonada.

E foi por ir ver de perto as palavras de esperança que o senador líder do governo federal em Brasília, que Tânia Freitas, acabou perdendo o único meio de levar seu filho, que é deficiente físico, e estuda na Escola Municipal José Vieira da Rocha.

Sem a cadeira de rodas, que foi dada pelo prefeito Bojó, com recursos públicos para esta finalidade, Tânia paga caro por ter ido ouvir as palavras de Eduardo Braga, pois hoje para andar com seu filho pela cidade ela tem carregá-lo nos ombros.

“É difícil. Eu nunca imaginei que só por ter ido aquela caminhada do Eduardo, meu filho perderia a cadeira de rodas”, disse com lágrimas nos olhos a doméstica, informando que registrou uma queixa contra o prefeito na delegacia do município.