O desmonte da política de Ciência e Tecnologia e seus impactos sobre a educação superior no Estado Amazonas, foram o tema central de discussão em audiência pública, realizada ontem (13), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), por iniciativa do Sind-UEA, Andes-AM e da Comissão do Meio Ambiente, presidida pelo deputado Luiz Castro (Rede).

Professores e pesquisadores, representando as instituições de ensino e pesquisa, participaram da audiência apontando as dificuldades e as precárias condições no desenvolvimento dos trabalhos científicos, diante do descaso do Governo estadual, da falta de estrutura e de recursos para o funcionamento pleno da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

A situação da pesquisa na região, se agrava também devido ao corte de verbas federais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes),  para os bolsistas dos programas de fomento às pesquisas de mestrado, doutorado e pós-doutorado. Além disso, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

“Sem contar, que o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), criado em 2002, vem sendo ignorado ao longo dos anos pelo Governo Federal e por  sucessivos governantes que demonstram o descompromisso com  a ciência e a tecnologia na região”, afirmou o deputado Luiz Castro.  

Outro descaso com a educação no Estado, foi apontado pela professora Lucia Puga, da UEA, citando o abandono da Cidade Universitária, no município de Iranduba, cujas obras consumiram milhões dos cofres públicos, e permanecem  inacabadas, se deteriorando.  

Encaminhamentos

O deputado Luiz Castro  sugeriu como encaminhamento, a reapresentação de uma Emenda Constitucional propondo dobrar o atual orçamento da Fapeam, de 1% para 2%, a fim de que a instituição possa também ampliar o fomento à pesquisa de forma integrada com o sistema Sepror, para desenvolver políticas públicas de extensão rural no interior do Estado.

Para a professora Lúcia Puga, a UEA se encontra em situação  lamentável, utilizando o trabalho de professores voluntários. Ela apresentou uma carta pontuando os problemas da falta de estrutura na instituição, e cobrou medidas  para recuperar as unidades que se encontram abandonadas no interior e na capital.

Puga defendeu ainda a reativação  da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, para dar suporte à universidade estadual, assim como o cumprimento da Lei que prevê o plano de Carreira Cargos e Salários dos servidores da UEA.   

Participaram da mesa dos trabalhos da audiência pública, coordenada pelo deputado Luiz Castro, a presidente do Sind-UEA, Gimima Silva, o presidente da Adua, Marcelo Vallina, o diretor-presidente da Fapeam, Edson Barcelos,

a representante do Andes Sindical, Katia Vallina, o pesquisador Carlos Bueno e o deputado José Ricardo (PT).