O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, fez duras críticas ao atual governador do Amazonas e candidato à reeleição em disputado no segundo turno, Amazonino Mendes. “Diante de uma derrota, se porta mau, mostra ganância e isso é uma coisa realmente muito negativa, de uma personalidade que, sinceramente, eu me arrependo de ter conhecido”, disse durante coletiva de imprensa, nesta segunda-feira, 22/10, ocasião em que inaugurou um novo posto de atendimento do Sine Manaus, na avenida Constantino Nery.

O prefeito avaliou de forma negativa o desempenho de seu governo e a forma como vem tentando se manter no poder às vésperas do segundo turno. ”Estamos diante de uma pessoa insana. Se eu fosse parente eu ‘interditava’ o governador Amazonino para não mexer mais em dinheiro, não tomar mais decisões sem a família aprovar. E dá a impressão que ele passou para o lado de lá mesmo, sem bom senso, usando do suborno ou da intimidação”, disse o prefeito.

Arthur classificou como “vigarice” o fato recente em que Amazonino acusa judicialmente seu adversário, Wilson Lima, candidato ao governo que aparece à frente nas pesquisas, de compra de votos. “Imagine, eu vi uma nota de uma pessoa que não tenho porque desrespeitar, da Polícia Civil, dizendo que eu podia ter desconsiderado as provas que eles mostraram. Não tem prova nenhuma. Aquilo ali, para mim, não passa de uma vigarice. Como é que uma pessoa que tem 70% dos votos vai comprar votos de uma eleição em que o outro tem apenas 28%?”, questionou.

O prefeito também lembrou episódios anteriores em que o atual governador usou de má fé para vencer disputas eleitorais. “O Amazonino já me levou uma eleição assim, em 1986, com a máquina, com pressão e eu sozinho fazendo campanha com o povo e quer fazer de novo, sem saber de alguns detalhes. Um: o povo não suporta mais. Dois: o povo escolheu seu adversário. Três: Manaus e o Amazonas precisam de paz e não dessas “pendengas” jurídicas que vem sempre do perdedor, daquele que não teve voto suficiente, enfim, ele está prestando um grande desserviço”, avaliou Arthur.

Ainda em declaração à imprensa, o político que possui mais de 40 anos de vida pública, diz ter apoiado Amazonino, em 2017, pelo fato de ele ter assumido que ficaria apenas 14 meses no governo para organizar o Estado, mas que fez o inverso até agora, “aprofundou o sistema de falência que está pressionando a qualidade de vida das pessoas”.

O prefeito também diz estar sofrendo intimidações e lembrou que não se abalou nem mesmo na época da ditadura. “Enquanto o Amazonino ficava embaixo dos financiamentos do BNDES para fazer umas construções deficientes aqui em Manaus e ganhar dinheiro, eu estava nas ruas enfrentando a ditadura. Ele fala muito de uma prisão que ele teve, ainda no governo Goulart, quando ele era governo, e foram horas, dias, sei lá, depois disso, ele sai dali para o colo da Arena que era o partido da ditadura. Há uma diferença de biografia muito grande e o pior caminho é esse, achar que me intimida”, afirmou.

Por fim, Arthur aproveitou para mandar um recado a Amazonino e diz acreditar na vontade do povo em eleger Wilson Lima para o governo. “Vou deixar bem claro agora, qualquer armação ou tentativa de armação vai virar um escândalo nacional porque o Brasil não concorda que, em pleno século XXI, ano de 2018, apareça alguém derrotado, com uma votação bem baixa, querendo superar a vontade do povo. Se o Wilson Lima vai acertar ou não, e eu vejo nele boa vontade para acertar, ótimo vamos ver, vamos dar chance a ele, o povo está querendo dar uma chance a ele, não sou eu que vou negar”, finalizou o prefeito.