Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em discurso na tribuna da Câmara dos Deputados, na terça-feira, 19, o deputado federal Sidney Leite (PSD), denunciou o isolamento aéreo que boa parte da população do interior do Amazonas vai ficar com a retirada dos voos ofertados pela companhia MAP Linhas Aéreas.

A empresa atendia nove cidades do Amazonas: Manaus, Parintins, Lábrea, Carauari, São Gabriel da Cachoeira, Barcelos, Tefé, Eirunepé e Coari e, desde que foi adquirida numa transação comercial pela Passaredo Linhas Aéreas, em agosto deste ano, começou uma espécie de desmonte de suas operações no Estado amazonense.

Com essa decisão, pelo menos 537 mil pessoas que residem nesses municípios que englobam as calhas do Alto Juruá, Médio Solimões, Baixo Amazonas, Purus e Negro, ficarão desassistidas.

“Ou seja, grande parte da população amazonense está no isolamento. Regiões, essas, que uma viagem de barco demora dias para completar o deslocamento até a capital amazonense, por exemplo. Esse transporte é necessário e importante para estas regiões do Amazonas”, ressaltou o parlamentar.

Membro da Frente Parlamentar em Defesa da Aviação, Sidney Leite cobrou uma postura mais enérgica da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em relação ao problema e que o órgão dê uma satisfação ao povo amazonense.

Com a retirada dos voos do Amazonas, a MAP/Passaredo passa a atuar mais fortemente em voos municipais no Estado de São Paulo, a partir do Aeroporto de Congonhas, com os slots (vagas em aeroportos) que adquiriu depois da retirada da Avianca das operações em São Paulo.

Prejuízo a população

Conforme o prefeito de Carauari, Bruno Ramalho, e vereadores do município, a suspensão dos voos semanais está gerando prejuízos de toda ordem à população. O problema não apenas prejudica o transporte de pacientes para Manaus, como, também, atinge a atividade comercial e outros serviços importantes para o município.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •