Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A FIFA anunciou o trio de arbitragem para o clássico entre Brasil e Alemanha, na próxima terça-feira, às 17h, no Mineirão, pelas semifinais da Copa do Mundo. O responsável pelo apito será o mexicano Marco Rodríguez, de 40 anos. Ele será auxiliado pelos compatriotas Marvin Torrentera e Marcos Quintero. O quarto árbitro será o norte-americano Mark Geiger.

Será a segunda vez nesta Copa que o trio mexicano trabalhará no Mineirão. Os três estiveram presentes na vitória da Bélgica diante da Argélia, por 2 a 1, no dia 22 de junho, quando o Gigante da Pampulha recebeu o segundo jogo pela competição. Agora, eles retornarão para a partida mais importante do estádio desde a reinauguração, no ano passado.

Marco Rodríguez tem 40 anos e apita a terceira Copa do Mundo na carreira. Antes, ele esteve nos mundiais de 2006, na Alemanha, e 2010, na África do Sul. Na competição no continente africano, ele chegou a trabalhar em um jogo dos germânicos, na goleada por 4 a 0 diante da Austrália. O árbitro comandou dois jogos em cada uma das duas edições anteriores.

Marco Rodríguez foi liberado para trabalhar nas semifinais deste Mundial depois da eliminação do México nas oitavas de final, diante da Holanda. Se o país avançasse entre os quatro melhores, ele não poderia continuar trabalhando na competição. O árbitro é experiente e, além de estar na terceira Copa do Mundo, já apitou partidas da Copa América (em 2004), Copa Ouro, Mundial Sub 20 (2009) e Mundial Sub 17 (2003, 2005 e 2013).

Mordida

Marco Rodríguez trabalhou em um dos confrontos mais polêmicos nesta Copa do Mundo. Ele comandou a vitória do Uruguai diante da Itália por 1 a 0, em 24 de junho, na Arena das Dunas, em Natal, que classificou a Celeste Olímpica para as oitavas de final. O jogo ficou marcado pela mordida do atacante Luis Suárez no zagueiro italiano Chiellini, resultando na suspensão de nove jogos oficiais do uruguaio e mais quatro meses. O juiz não advertiu o centroavante no lance, mas escapou de punição depois de análise da FIFA.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •