Foto: Alailson Santos
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A equipe de investigação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), sob a coordenação do delegado Rafael Allemand, diretor do Departamento, deflagrou ação policial na manhã da quarta-feira (12/08), por volta das 9h, que culminou nas prisões de Andreia da Silva Ferreira, Egenildo da Silva Teixeira e Lizete Pereira da Silva, em cumprimento a mandado de prisão temporária e de busca e apreensão.

O trio estava sendo investigado por ser o responsável pelos 143 quilos de cocaína apreendidos dentro de um caminhão, na última sexta-feira (07/08), no bairro Mauazinho, zona sul da capital.

O delegado-geral adjunto destacou o êxito da ação realizada pelo Departamento e afirmou que o trabalho da Polícia Civil irá continuar para combater o crime organizado no estado. “Hoje, tivemos mais um excelente trabalho realizado pelo DRCO que, durante três meses de investigação, chegou até os infratores e desarticulou esse esquema criminoso, vamos continuar nosso trabalho”, afirmou ele.

Conforme o diretor do Departamento, Rafael Allemand, a apreensão do entorpecente ocorreu na última sexta, após as equipes do DRCO receberem denúncias, informando que um caminhão de mudanças estava transportando a droga entre os móveis do frete e que o mesmo estaria em via pública, no endereço mencionado. Com base nisso, a Receita Federal (RF) foi acionada e o cão farejador descobriu a substância ilícita no interior do veículo. A droga está avaliada em R$ 2 milhões.

“Questionado pela nossa equipe, o motorista do caminhão informou que apenas recebeu ordens de transportar os móveis para o estado do Pará e que não sabia a origem do material ilícito. Descobrimos que eles utilizaram o documento de um militar para efetuar o traslado da droga de forma legal, sem levantar desconfiança, porém o homem já havia sido transferido e está morando em Brasília, desde 2019”, explicou o delegado.

Ainda de acordo com a autoridade policial, o trio possui uma empresa especializada em transportes e mudanças, com sede em Manaus e uma filial no município de Tabatinga (distante 1.108 quilômetros em linha reta da capital). As investigações apontaram que eles têm um contrato com as Forças Armadas, onde faziam a transferência de militares de Tabatinga para Manaus ou para outro estado, sendo assim, eles se aproveitavam da situação para armazenar drogas dentro dos móveis, entre cocaína e maconha do tipo skunk. O esquema criminoso já ocorria há cerca de dez anos.

Prisão – Após intenso trabalho investigativo, as equipes descobriram a identidade dos responsáveis pela droga. O delegado relatou que, na manhã desta quarta-feira, os policiais conseguiram cumprir os mandados de prisão e de busca e apreensão em nome do trio, e as ordens judiciais foram cumpridas em Manaus, Iranduba e Tabatinga.

Na ocasião, foram apreendidos três veículos, sendo um da marca Chevrolet S10, um Hyundai HB20 e outro da Volkswagen, modelo Gol, todos obtidos com dinheiro do crime.

“O inquérito Policial (IP) irá continuar e vamos trabalhar para descobrir quem são os responsáveis pela droga em Tabatinga e quem iria receber o material ilícito em Manaus”, afirmou ele.

Indiciamento – Andreia, Egenildo e Lizete foram indiciados por tráfico de drogas interestadual e associação para o tráfico. Ao término dos procedimentos cabíveis, o trio será levado para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde deverão passar por audiência de custódia. Com informações de Polícia Civil do Amazonas.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •