Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“Bolha” de segurança sanitária e torneio sob vigilância: a imagem dos dois jogadores do Atlético de Madrid infectados e depois isolados, as oito equipes que disputam as quartas de final da Liga dos Campeões a partir desta quarta-feira em Lisboa seguem um rígido protocolo ditado pela UEFA.

Qual é a situação da saúde em Lisboa?

No final de junho, Portugal estava entre os países europeus com maior número de novos casos de coronavírus em relação com a sua população de 10 milhões de pessoas, levando a um confinamento parcial da zona norte da capital Lisboa. Mas agora que vários países registram o ressurgimento de focos da doença, o índice de novas infecções no país ibérico diminuiu há cinco semanas.

As autoridades de saúde contabilizaram cerca de 180 diagnósticos positivos na semana passada, metade deles na região de Lisboa e na bacia do Tejo. A capital e seus arredores ainda estão sujeitos a restrições maiores do que o resto do país, apesar do fato de que no final de julho as medidas de confinamento parcial foram suspensas em uma dezena de bairros.

Em Lisboa, são proibidas reuniões com mais de dez pessoas, contra o limite de 20 no resto do território, e as lojas e bares devem fechar às 20h00 (15h00).

Quantos testes antes dos jogos?

Todos os participantes (jogadores, acompanhantes …) são submetidos a testes dois ou três dias antes de viajarem para Lisboa. Eles passam por um novo exame no local do torneio, na véspera da primeira partida. Os resultados são comunicados pelo menos 6 horas antes do início do primeiro jogo.

A Uefa defende o teste RT-PCR para COVID-19 ou um método equivalente.

O que acontece se um jogador apresentar sintomas?

Qualquer participante que desenvolver sintomas consistentes com uma possível infecção por COVID-19 deve ser isolado imediatamente em seu hotel e entrar em contato com as autoridades de saúde locais.

O que acontece se vários jogadores forem infectados?

Para jogar, uma equipe deve ter 13 jogadores saudáveis, incluindo um goleiro. Se um time não tiver 13 integrantes disponíveis na sua “Lista A” apresentada anteriormente, a Uefa “pode autorizar o reescalonamento do jogo”.

Se a partida não puder ser adiada, a equipe que não tiver como contar com 13 jogadores saudáveis “será responsabilizada” e  considerada derrotada por 3 a 0.

Quem pode ir ao estádio  em cada partida?

As equipes podem incluir no máximo 45 pessoas por jogo. A delegação oficial de cada clube (presidente, dirigentes …) deve ser de no máximo dez pessoas.

Será medida a temperatura de cada pessoa que entrar no estádio no dia da partida ou na véspera. Além disso, todos devem preencher ficha epidemiológica, desinfetar as mãos e usar máscara.

Como desinfetar o estádio e vestiários?

A distância social e a circulação do ar nos vestiários devem ser otimizadas. Dependendo do tamanho dos vestiários, outros espaços podem ser dedicados a funcionários, equipamentos ou fisioterapeutas.

Além disso, saunas, banhos de gelo, piscinas ou banheiras de hidromassagem devem estar vazias ou bloqueadas e qualquer equipamento de exercício ou fisioterapia deve ser desinfetado antes e após cada uso.

Os vestiários, áreas de acesso dos jogadores e bancos devem ser desinfetados na véspera do jogo, entre cada sessão de treino e antes do jogo.

Qual é o protocolo para os árbitros?

Os árbitros e dirigentes da Uefa devem respeitar a distância social durante a viagem e usar uma máscara. Os árbitros passarão por um programa de testes.

Qual é o protocolo para os gandulas?

Para campos cercados por pistas de corrida, pode haver seis a oito gandulas. Se não houver tais faixas, serão usados quatro a seis. Devem usar máscara, manter a bola no chão o máximo possível, desinfetar as mãos antes e depois do aquecimento e antes e depois de cada tempo, e manter uma distância de pelo menos dois metros dos jogadores em todos os momentos.

Todas as bolas devem ser desinfetadas após o aquecimento se forem usadas durante o jogo e no intervalo. (Gazeta Esportiva)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •