Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O sequestrador de um ônibus na ponte Rio-Niterói foi morto por snipers (atiradores de elite), encerrando o drama de dezenas de passageiros que eram vítimas dele desde às 5h30 desta terça-feira (20/08/2019). As informações são de Metrópoles.

Por volta de 9h, o sequestrador saiu do veículo apontando uma arma para a cabeça de um refém, foram ouvidos tiros e policiais foram vistos comemorando. Segundo a polícia, o revólver dele era de brinquedo.

Em seguida, policiais cercaram o coletivo, e uma maca foi levada para o local. As pessoas que estavam próximo ao local aplaudiram a ação dos policiais.

De acordo com a PRF, acredita-se que 17 vítimas estavam dentro do veículo com o sequestrador. Até o momento, seis reféns foram liberados: quatro mulheres e dois homens. Uma dessas mulheres, a última a ser liberada, por volta das 8h20, passou mal e desmaiou ao deixar o ônibus. Ainda não há informações sobre qual seria a motivação do crime.

A porta-voz da PRF, Sheila Sena, responsável pela operação, disse que o sequestrador se identificou como policial militar. A PM, no entanto, não confirma essa informação. O criminoso também ameaça jogar gasolina no ônibus.

No Facebook, o Centro de Operações Rio pediu que as pessoas utilizem o serviço de barcas para fazer a travessia. O trânsito na ponte está fechado nos dois sentidos por questão de segurança.

De acordo com informações da PRF, o criminoso entrou no veículo por volta das 5h30. Ao se aproximar da ponte, ele mandou o motorista parar. Logo após, deu ordem para que o coletivo fosse atravessado na subida do vão central.

Um telefone celular foi passado de dentro do ônibus para os agentes da PRF. Às 6h31, uma pessoa jogou algo pegando fogo para fora do veículo. De acordo com a polícia, o objeto parecia um coquetel molotov.

Homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) chegaram ao local por volta das 7h para ajudar nas negociações com o sequestrador.

Homem faz passageiros de ônibus reféns na ponte Rio-Niterói


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •